O Ipê Branco, muito além de encantar com a beleza de suas flores brancas destacadas no tronco escuro no meio do cerrado e nas arborizações das cidades, como Belo Horizonte, tem propriedades medicinais. A descoberta realizada por estudos da UFOP, com apoio da FAPEMIG, na qual encontrou-se substâncias anti-inflamatórias e anti-hiperuricêmica (reduz as taxas elevadas de ácidos úricos) na planta capazes tratar gotas e inflamações.
Pode parecer pouco importante a descoberta para o alívio desse problema, porém observa-se que doenças cardiovasculares, hipertensão, obesidade, dislipidemia, hiperglicemia e resistência à insulina estão correlacionados às concentrações acima do índice ideal de ácido úrico. Além disso, a hiperuricemia está diretamente relacionada aos cálculos renais e insuficiência renal aguda ou crônica (nefropatia).
“Até o momento, o estudo vem demonstrando que os extratos obtidos das folhas e da madeira do ipê branco apresentam o efeito de redução do ácido úrico no sangue pela diminuição da sua síntese”, afirma Dênia Saúde-Guimarães. Já testaram em camundongos, com tratamento via oral, e tiveram redução do ácido úrico, além de resolução das complicações associadas à patologia, tais como a inflamação.
A pesquisadora Dênia Saúde-Guimarães destaca que a pesquisa já está na fase de estudos pré-clínicos exigidos pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), logo após submeter à estudos clínicos para aprovação do medicamento, seja fitoterápicos ou fármacos.
Devemos ser pacientes e esperar os testes terminarem! Afinal, o uso de qualquer substância sem a devida orientação sobre a dosagem e a forma de administração, natural ou sintética, pode ocasionar problemas de saúde. Além de provocar desmatamentos indiscriminados em busca ao “elixir sagrado”. Se queremos ter o benefício de forma contínua, mais um motivo para conservação espécie!
Para mais informações leia o artigo completo:
http://www.saude.mg.gov.br/ajuda/story/7507-substancias-do-ipe-branco-ajudam-no-tratamento-de-gota-e-inflamacoes
Por Ma. Érica Batista Baião.